Wednesday, April 14, 2010

Carta a uma filha


imagem daqui


"Ainda não nasceste. Aliás cada dia que passa acho que isso está longe de acontecer. Mas imagino-te. Poderia descrever ao pormenor o teu rostinho alegre e sorridente, esses teus olhos castanhos que me fazem lembrar duas amêndoas. Fecho os olhos, imagino o que seria sentir o teu corpo pequenino junto ao meu, o teu cabelinho ondulado pelos ombros. Irrequieta, de natureza afável é assim que tu és. A mais amorosa das meninas, mas também a mais teimosa, mais perseverante. Fazes-me lembrar tanto eu quando tinha a tua idade. Gosto daqueles momentos em que sentadas na cama, eu te leio as histórias que me fizeram sonhar e que quero dividir contigo. Quero que tenhas a mesma capacidade que eu para sonhar, porque a vida sem sonhos é uma vida vazia, não quero isso para ti. Imagino aqueles nossos passeios de mão dada a beira mar, ambas descalças sentindo a areia por entre os nossos dedos, a água gelada que nos causa arrepios de frio. O som do nosso riso a ecoar na paisagem é claro e cristalino. Abraço-te. Abraças-me. Ficamos por tempo indeterminado ali juntas, a nossa cumplicidade latente em todos os nossos gestos. Fazes-me perguntas, perguntas características da idade para as quais às vezes tenho que improvisar respostas. Gosto daqueles dias em que dividimos as pipocas no cinema, dando gargalhadas a ver uma comédia qualquer. Ou os dias em que simplesmente ficamos as duas de pijama o dia todo em casa, enroscadinhas no sofá com uma mantinha em alegres conversas e partilhas. Gosto quando me olhas nos olhos e dizes - me "Gosto de ti, mãe" as lágrimas escondem-se por detrás do sorriso com que te brindo. Também te amo muito, mesmo sem ainda teres nascido já amo a ideia de ti. Mais do que me preocupar em ter um pai para ti, preocupa-me não te ter a ti. Pudesse eu ter uma coisa sem ter a outra. Sim sei que é egoísta da minha parte, todas as crianças precisam de um pai, mas e aquelas mães que querem tanto sê-lo e ainda não apareceu o Pai? Por isso minha querida, vivo na ilusão de um dia permitir que nasças, que entres na minha vida e me mostres o verdadeiro amor incondicional. Porque o outro esse já o conheço, mas o amor de mãe e filha esse ainda quero experimentar. Tenho sido paciente. Tu também, sei que estás ansiosa por conhecer o mundo, adquirir todos estes conhecimentos, deixares-te absorver pelos livros que tenho para contigo partilhar. Mas seremos pacientes, as duas, até ao dia que o teu Pai nos encontrar. Bela"



5 comments:

geek in the pink said...

Adorei! Também dou por mim a pensar na minha filhota que ainda não nasceu...
Oxalá o teu sonho se realize depressa! :)
beijinhos

Poetic GIRL said...

Geek in the pink: Querida espero que o teu também, depois vamos passear as nossas meninas não é? Sim que elas vão ser grandes amigas, tal como nós somos! bjs

O Profeta said...

Eram azuis os dias que inventei
A casa dos meus sonhos feita de chocolate
A criançada nunca esgotava a gargalhada
Um cão de meigo olhar não fala, mas late

Uma gaiola dourada
Uma papagaio papagueando sem parar
O amor tatuado em cada canto
Para teres a certeza, no teu chegar


Um bom fim de semana

Mágico beijo

chapeu de sol amarelo said...

muito bonita...:-)

Brown Eyes said...

Bela quero conseguir pôr este blog em dia o que vai ser difícil, foi muito tempo ausente mas, desde que haja vontade consegue-se. Um filho é o sonho de muitas mulheres mas, não é fácil concretiza-lo. Ter um filho implica muita responsabilidade, muita preocupação, alegrias e tristezas sem fim. Hoje, com todos os problemas que a nossa sociedade tem, ter um filho é arriscar-se a acabar com a paz, a pôr alguém a sofrer neste mundo. Qualquer coisa que aconteça ao nosso filho dói mais que se acontecesse connosco. Ter um filho é uma incerteza constante, é morrer a cada minuto se a sorte não acompanhar o seu crescimento. Egoísmo? Talvez mas sei o que dói sofrer por um filho, com um futuro e uma sorte incerta, é nunca mais sentir paz. Os sonhos são lindos mas, a realidade não permite sonhar, não permite concretizar muitos sonhos. Esta carta comove e transmite, claramente, o sonho de muitas mulheres.Beijinhos
Beijinhos