Friday, August 6, 2010

Tempo do Adeus

 Vou de férias, deixo-vos mais um conto para vos deliciar na minha ausência, I will be back soon!




Adeus. Ela disse-lhe adeus. Em pontas dos pés beijou-o uma última vez. Ele olhava-a ternamente, segurou-lhe a mão, desejoso de não a largar mais.
- Não posso crer que vais mais uma vez embora. - seus olhos clementes que ela o ouvisse mais uma vez.
- Sabes que a minha vida é do outro lado do oceano. Já falámos sobre isto tantas vezes, eu não posso simplesmente virar costas.
- Porque não? O que tens a perder? - perguntou ele
- A minha independência, a minha carreira, a minha vida. Porque não vens tu comigo?
- Sabes que não posso, pelos mesmos motivos que tu.
- Então estamos conversados, nenhum de nós está em condição de abdicar, teremos que nos contentar com estes momentos fugazes em que somos tão felizes. Talvez a nossa receita seja esta, termos que estar separados para nos voltarmos a reencontrar. Vivemos de reencontros constantes.
Ele olhou-a, como amava aquela mulher. Seria capaz de viver mais dois meses ou mais separados? Ela acabou de se vestir, calçou os sapatos, deu um jeito no seu cabelo ondulado. Pegou na mala, atirou-lhe mais um beijo e saiu.
As lágrimas escorreram-lhe pelo rosto enquanto descia as escadas a correr. Sinal de fraqueza, quase que cedera ao seu pedido, quase que abandonara tudo para ficar com ele. Quase. Olhou a praia em frente. Ainda tinha algum tempo antes do seu voo. Caminhou descalça pela areia, sapatos numa mão, mala na outra. Sentiu a areia molhada nos seus pés, a brisa marítima despenteava seus cabelos. Sentou-se. Ficou olhando o mar, uma sensação de tranquilidade invadiu-a. Pensou nele. No seu sorriso, no seu olhar, no seu toque, nos seus beijos. Como iria viver sem isso tudo? Cada vez custava mais a separação. Mais dois longos meses sem se verem. Vivendo apenas de telefonemas, mensagens, caricias virtuais que não os satisfaziam. Dois meses eram apenas cerca de 60 dias. Mas porque lhe parecia tanto? Porque lhe parecia um ano? A vida pregara-lhes a rasteira de os colocar frente a frente na pior fase de ambos. Aceitaram correr o risco, mas o risco agora estava a ser demasiado pesado, demasiado custoso. Suspirou.
Não estava praticamente ninguém na praia. Era ainda muito cedo. Um casal idoso, não tinham mais que 70 anos caminhavam pela areia fora de mão dada. Ficou a contemplá-los ao longe. Invadiu-a uma nostalgia, uma certeza que provavelmente não chegaria a esse patamar da vida com ele ao lado. Não a continuar a viver este amor pela metade. Encheu-se de coragem, pegou na mala e nos sapatos...
Entrou sorrateira em casa. Ele dormia. Despiu-se. Aconchegou seu corpo ao dele. Ele acordou sentindo a sua presença.
- Então de volta? - perguntou ensonado
- Ainda me queres? - perguntou enquanto lhe beijava os lábios
- Ainda perguntas? - sorriu-lhe
Abraçaram-se. Sem promessas, sem certezas, sem nada. Apenas ele e ela. E naquele momento só isso lhes bastava. Simplesmente porque às vezes custa demais dizer-se adeus. 

Autoria: Lcarmo (Poetic Girl)

9 comments:

chuva no verão said...

Olá. Vivi há poucos dias uma separação que me custou (e está a custar) muitos. Este lindo conto que escreveste (e muito bem) fez-me chorar, sorrir, pensar no amor e nas despedidas. Está lindo!

Carlos Barbosa de Oliveira said...

E que bela escolha nos deixou. Obrigado e boas férias!

Cáh Morandi said...

Obrigada pelo carinho!
Lindo blog.

Beijo.

Missy Chatterton said...

fiquei num hotel a 40 minutos do centro de Barcelona... Não era mau (:

Hotel Kaktus Playa , fica na zona de Calella :b

É a 100 metros da praia *

Vou-te deixar aqui um site para espreitares minha querida (:

http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g580327-d481328-Reviews-Kaktus_Playa-Calella_Costa_del_Maresme_Catalonia.html

Nicole said...

Boas férias, sortuda!! :)

A Sombra do Arco-íris said...

Adorei o teu post. Acho que deixa todos os leitores a pensarem (e a sentirem) tudo. Se há sentimentos que não controlamos é sem duvida o amor o maior deles, é esse que nos deixa mais vulneráveis, é esse que nos toca mais... 5*

Sapinho said...

o blog das mensagens (cerca de 60) é privado. Uma vez que gostaste de algumas (q a mona lisa colocou no dela), dou o endereço do actual: http://odioaoamor.blogspot.com/ nao poderás ler todas as anteriores, apenas as que virão daqui para a frente.... fuiii

Fê-blue bird said...

Escreves com a alma, nota-se isso em cada palavra.
Acho que retratas-te muito bem a situação de muitos casais actualmente.
Não deve ser fácil amar alguém e não poder partilhar a vida com essa pessoa.
Adorei este teu conto.
Boas férias deixas já saudades.
Beijinhos e desejo-te as maiores felicidades.

Iúri Zúluri Revel Regueiro said...

mas que blog lindo..olha maiga gostei muito de aqui vir..visita me