Friday, October 1, 2010

E chove...


"Pequenas gotas caíam do céu. Ao início aleatoriamente, apenas ameaçando, intensificando-se depois. Maria sentada no alpendre lia um livro. Os finais da tarde em que o sol se começava a esconder por entre as nuvens eram os seus momentos preferidos. Olhou o céu outrora azul e solarengo, agora escuro e ameaçador. A chuva caía molhando o chão. O cheiro a chuva invadiu os seus sentidos. Observou os trausentes que corriam para se abrigar da chuva inesperada. Sentiu-se feliz por se encontrar em casa, no aconchego do seu lar. Havia algo de pitoresco na paisagem que via do seu alpendre, a produção visual, juntamente com o cheiro característico das primeiras chuvas deixaram-na extasiada. Descalçou-se, em pontas de pé caminhou para o meio da rua. Deixou que a chuva lhe caísse pelos cabelos, rosto... Em poucos segundos molhou-se por completo. Sorriu olhando o céu. Que diriam os vizinhos?
Recolheu-se em casa.Enxaguou o cabelo, despiu a roupa encharcada. Da janela continuou observando a chuva a cair lá fora, formando poças de água onde a terra se encontrava menos firme. Olhou o relógio da bisavó que repousava na lareira da sala. Ainda faltava bastante para o regresso do seu pai. Sentiu-se insegura. Um calafrio percorreu a sua espinha. Não era medo, desde bem pequena que desenvolvera as suas capacidades de independência, ficava sozinha em casa na ausência dos seus pais. Mesmo depois daquela fatídica noite não tinha medo de ficar só. Ela nunca se sentia só. Os seus amigos, os livros faziam-lhe companhia, riam com ela, choravam com ela. Com um livro na mão ela nunca se sentia só.
Mas hoje, hoje, com esta chuva inesperada sentiu a solidão a aproximar-se. Encolheu-se mais no sofá junto da janela. De livro no regaço tentava vislumbrar o carro do Pai a aproximar-se de casa. Um trovão ouviu-se por cima da casa. Assustou-se. A escuridão envolveu-a. Acabara de falhar a luz. "Fantástico!" - pensou - " Era só o que me faltava". Aninhou-se mais no sofá. Agora nem ler podia. Ouvia o a da tic-tac do velho relógio ecoando no silêncio que a rodeava. E se ligasse ao pai? Levantou-se dirigindo-se ao telefone. Mudo. Simplesmente mudo. "Oh e agora?" - e se fosse à vizinha? Olhou novamente lá para fora, chovia ainda mais.
Era noite de lua cheia, uma lua grande, redonda que projectava formas que a faziam imaginar histórias. Aninhou-se no sofá, cobertor no regaço. Com os olhos pousados na lua, teceu imagens, teceu sonhos, ela era feita da matéria dos sonhos. Seu Pai ria-se das histórias que lhe contava, seu Pai deliciava-se de a ouvir contar as peripécias das suas personagens. Quantas noites aninhados nos braços um do outro, em plenos momentos de partilha entre Pai e Filha, ela sussurrava as suas histórias aos ouvidos atentos dele. Seu Pai era seu porto seguro, sua âncora, o elemento que a tirava do mundo dos sonhos e fazia fincar os pés no chão. Seu Pai era seu mundo, pincelado de cores vivas, alegres, seu Pai era o riso estridente que ecoava pela casa mesmo quando o seu coração gritava de dor. E ela, ela era bem filha do seu Pai.
Olhou o relógio mais uma vez. O tempo passava velozmente. Quanto mais ele avançava, quanto mais os ponteiros dos relógios se moviam, mais a angústia lhe espremia o peito.
Aconchegou-se em posição fetal. Os olhos pesavam-lhe. Lutou para se manter acordada, mas era uma luta inglória. Acabou adormecendo. Não era um sono sossegado, era um sono envolto em sobressalto. Dormir sem estar a dormir. Olhos fechados, corpo pesado, mente inquieta.
O barulho de um carro aproximar-se acordou-a. Por momentos não sabia onde estava, por momentos sentiu-se perdida. Olhou pela janela, era o seu Pai. Suspirou aliviada. "Obrigada meu Deus por o trazeres são e salvo para mim! .
Esperou que ele abrisse o portão da garagem. Sorrateira esquivou-se para o seu quarto. Despiu-se à pressa, enfiou-se debaixo dos lençóis. Esperou quieta como um rato espera atento a movimentos súbitos. Escutou a chave a rodar na fechadura. Sentiu os passos ecoar na casa, ouviu as chaves serem pousadas na entrada. Esperou. Logo logo os passos de seu Pai ecoariam no corredor, apenas parando na entrada do seu quarto.
Sentiu a porta do seu quarto abrir, seu Pai acercar-se da sua cama. Sentiu seus lábios em seu rosto, suas mãos afagando seus cabelos. Estava finalmente em Paz. Em casa, com o seu Pai, o seu mundo estava por fim completo. Escutou mais uma vez a chuva lá fora. O som da chuva no telhado produzia uma melodia agradável, aconchegou-se mais, sendo embalada até finalmente adormecer."


Autoria: Lcarmo (Bela)
Desafio Fábrica de Letras
Tema: O CHEIRO DA CHUVA

26 comments:

Chica said...

Lindo e inspirado conto!Bela participação!beijos,chica

Paula NoGuerra said...

Também fiquei inspirada para escrever o meu texto sobre a chuva...
Parabens lindinha!!!!

meldevespas said...

muito doce como so tu fazes Bela ;))
Beijinho grande

MRPereira said...

Epá sim senhora... Arrumas o meu a um cantinho...

Kiss kiss

Sandra said...

BELA PARTICIPAÇÃO. A MAGIA DAS LETRAS NOS ENVOLVE NESTE POEMA DE CHEIRO DE CHUVA MOLHADA.

NESTES MOMENTOS NOS INTERAGIMOS COM MUITO CARINHO.
QUE SEJA BEM VINDA A CHUVA..ESTE CHEIRO BOM E PERFUMADO CHEIRO DE TERRA MOLHADA.
VEM COMIGO
http://sandrarandrade7.blogspot.com/
CARINHOSAMENTE,
SANDRA

Pedrasnuas said...

ELA DEIXOU DE TER MEDO QUANDO SE SENTIU PROTEGIDA...

UM TEXTO POÉTICO COM SABOR A INVERNO...

BEIJO

MZ said...

As tempestades físicas assemelham-se muito às tempestades do nosso interior. Tornam-se muito mais suaves quando sentimos protecção dos que amamos.

bj

blue said...

Adorei a doce figura do Pai - a presença, a segurança, o porto de abrigo.Adorei.

Ricardo Fabião said...

a forma como retratas o cotidiano em suas narrativas é sempre muito envolvente; repito: és uma grande contadora de histórias. Por isso aqui não canso o olhar.

Volto. Sempre.

Beijos.
Ricardo

Fragmentos Culturais said...

... gostei! Uma escrita muito sensível!

Voltarei para ler outros...
Beijo,
(sensibilizada pelo olhar atento a 'fragmentos')

Chokkie said...

Adorei o texto, lembra-nos que a companhia dos que amamos nos traz uma sensação de conforto e protecção únicas. Eu também nunca me sinto sozinha com um livro:) bjos

Eduardina said...

Gostei muito do seu conto. Emocionam-me as relações envolventes entre pai e filhos... O meu, infelizmente, foi bastante castrador...
um beijinho

Natália Augusto said...

Olá Linda,

Adorei ler a tua história.É linda, emotiva, emocionante. Não pude deixar de me rever nela.
Já me deixei molhar pela chuva; os livros são a minha única companhia e sempre tive medo de perder o meu pai... até que um dia aconteceu a tragédia que mudaria para sempre a minha vida.

Beijinhos

Ronilson said...

Memorias...

Louise said...

A chuva e o mau tempo provocam-nos muitas vezes a sensação de solidão de medo.
E é tão bom quando surge alguém para nos aconchegar e afastar todas essas más sensações.

MRPereira said...

Ao tempo que não vinha cá e o post ainda é o mesmo... Vamos a mudar isto tá?

Já agora, sou o seguidor número 63!

Kiss kiss

Catsone said...

Poetic, isso foi uma montanha russa, não: começou em paz, depois o terror e no fim, paz novamente...

Bj

Otário said...

escreves bastante bem!
tenho-te seguido nas participações da fábrica de letras e continuo a gostar de passar por cá moça (:

eu tb continuo a participar,
saudações otárias!

Fê-blue bird said...

Um cheirinho a chuva, a conforto a melancolia.
Adoro tudo o que escreves.

Beijinhos

Johnny said...

Este e outro texto já estavam há muito para ser lidos (é o que dá escrever muito)

Muito bonito. Traduz bem o sentimento de um filho.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana said...

chuva que cai e leva o que ruimpara longe daqui e traz o que de bom na terra tem

Juliana said...

adorei teu blog!
estou te seguindo!
beijao :D

PauloMitchell said...

Gostei :]
Obrigado pelo comentário *

Lala said...

Enquanto estive meia preguiçosa para ler este texto, não imaginava aquilo que estava a perder... Está sensacional. Obrigada por este bocadinho ;)

PauloMitchell said...

Basta pensarmos no impossível como algo alcançável e um dia poderemos tocar-lhe ao de leve e quem sabe penetrar naqueles sabores afrodisíacos. :*

ESpeCiaLmente GaSPaS said...

Que palavras bonitas :)